Efeito Ergogênico da Cafeína na Performance

A cafeína é uma substância sem valor nutricional, e não fornece energia apesar de muitos atletas sentirem esta sensação, é classificada como um estimulante do sistema nervoso central (SNC) e considerada um potente ergogênico nutricional. Derivada da Xantina (teofilina e teobromina) a cafeína está presente em vários produtos consumidos pela população mundial, como o café, chá, cacau, guaraná e alguns refrigerantes a base de cola. Recentemente, foi retirada da lista de substâncias proibidas pela Agência Mundial Anti-Doping (WADA), podendo ser consumida por atletas sem restrição.

Porém é importante ressaltar que doses elevadas em torno de 1000 mg de cafeína , podem induzir a insônia,nervosismo,irritabilidade,ansiedade,náuseas e a desconforto gastrointestinal., podendo influenciar negativamente na performance do atleta.

A tabela 1 apresenta as quantidades de cafeína presentes em alguns produtos comerciais.

  • Produto Porção (em mg)
  • 1 Café (xícara 150 ml) 60,0
  • Chá Instâtaneo (150ml) 28,0
  • 1 lata de Coca Cola, Coca Diet (330ml) 45,6
  • 1 lata de Pepsi, Pepsi Diet (330ml) 36,0
  • Chocolate em pó (30 gr) 26,0
  • Chocolate amargo –barra ( 30gr) 20,0

Nos últimos anos a cafeína têm sido alvo de inúmeros estudos envolvendo exercícios físicos, particularmente em atividades de média e longa duração.

Seu efeito ergogênico sobre a performance tem sido demonstrado em estudos, após a ingestão de doses entre 210 mg a 420 mg. Pressupõe que a cafeína possua mecanismos de ação central e periférica que podem desencadear relevantes alterações metabólicas e fisiológicas, as quais melhorariam a performance como estimulante do sistema nervoso central (SNC) e exercendo efeitos na redução da fadiga.

Dessa forma, tem sido proposto que a cafeína aumenta o metabolismo de ácidos graxos poupando a glicose , diminuindo a utilização do glicogênio muscular e possibilitando a mobilização dos depósitos de gordura, utilizados como fonte de energia,permitindo maior resistência do corpo quanto a fadiga. Acredita-se que esse efeito, ocorre de maneira indireta por meio do aumento na produção de catecolaminas na circulação, particularmente a epinefrina, ou diretamente em ação oposta aos receptores de adenosina, um importante regulador do metabolismo lipídico.

Ainda há relatos que a cafeína pode agir diretamente sobre o músculo, potencializando sua capacidade de realizar exercícios físicos de alta intensidade e curta duração, estabelecido assim pela ação sobre o retículo sarcoplasmático , aumentando a permeabilidade ao cálcio, tornando este mineral prontamente disponível para o processo de contração muscular.

Portanto, as evidências apontam que o consumo da cafeína em exercícios físicos, pode ser capaz de promover uma melhoria na eficiência metabólica dos sistemas energético e muscular durante o esforço, contribuindo para melhora da performance.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *